domingo, 4 de dezembro de 2016

Breve resumo de Sócrates o Sátiro de Atenas


(P.53) Cap. 02: Sócrates o Sátiro de Atenas.
“Só sei que nada sei”. Sócrates.
(P.55) Sócrates.
Feio, de nariz bulboso e olhos de sapo, Sócrates era famoso por suas esquisitices, caminhava descalço no inverno, tostava sob o sol no verão e desde menino dizia ouvir vozes.
(P.56) Sócrates foi um dos principais divisores de águas na história do pensamento ocidental. Alguns dizem que a revolução iniciada por ele mudou o mundo para pior (principalmente pelas teorias políticas de seu discípulo Platão), outros veem nele uma espécie de messias da independência intelectual.
O fato é que Sócrates assim como Tales, Pitágoras, Buda e Jesus mudou a história sem nunca ter escrito uma linha. A maior parte do que conhecemos deles foi relatado por seus discípulos: Platão e Xenofonte.
(P.57) O problema é que cada um “pinta” o retrato de Sócrates de uma forma diferente. Para Xenofonte um sujeito benevolente, inofensivo e tedioso. Para Platão, Sócrates é esquisito e perturbador. E o pior, não sabemos se em suas obras, Sócrates era usado como alegoria para explicar suas próprias ideias filosóficas, ou ele mesmo fez isso.
O fato é que mesmo podendo ser um personagem fictício, ele é muito mais importante que muitos homens de carne e osso.
O Esquisitão.
(P.58) De uma família tradicional grega, Sócrates tinha o status de cidadão. De inicio tentou seguir o ofício do pai artesão, mas logo se afastou do trabalho.
(P.59) Andava desgranhado pela cidade e dizia receber a visita de daemons (entidades que faziam a ligação entre os homens e os deuses – como anjos da guarda) e um dos conselhos foi o de não se meter em política.
(P.60) A personalidade de Sócrates era uma combinação de estranhas manias e virtudes. Mas, talvez sua maior qualidade fosse à modéstia. Num período cheio de personagens megalomaníacos, Sócrates cunhou a frase “só sei que nada sei”.
Até os 40 anos, Sócrates viveu tranquilo com sua ignorância; mas então convenceu-se de que sua missão era provar que todos os seres humanos eram desprovidos de sabedoria. E foi essa cruzada intelectual que acabou levando Sócrates à morte.
A sábia ignorância.
Em uma visita ao templo de Apolo em Delfos, Querofante – um antigo amigo de Sócrates perguntou a sacerdotisa: - “O Apolo, quem no mundo é mais sábio que meu amigo Sócrates?”. Ela respondeu: “ninguém”.
(P.61) Ao ouvir a história Sócrates chegou à conclusão de que a verdadeira sabedoria começa com a consciência de nossa própria ignorância. O primeiro passo no caminho do filósofo é sempre incomodo: consiste em questionar todos os conhecimentos herdados, todas as certezas individuais e coletivas, e recomeçar a busca pela verdade de forma implacável, expondo tudo à lamina de um raciocínio rigoroso.
(P.62) Assim, Sócrates se convence de que sua missão era iluminar a mente dos humanos, mostrando-lhes que eles nada sabiam – pois, só assim poderiam vir a saber alguma coisa. Nasce assim o diálogo socrático.
O vagabundo loquaz.
Na antiguidade o significado da palavra dialética era a “utilização do diálogo como ferramenta filosófica”.
Na dialética de Zenão de Eleia existia uma espécie de discurso imaginário , onde o filósofo antecipa os contra-argumentos de seus adversários para defender sua própria tese.
Na dialética sofista o debate era praticado cara a cara. Os sofistas não estavam interessados em descobrir grandes verdades, seu único objetivo era vencer os debates e influenciar a opinião pública. Já que os sofistas não acreditavam na existência da verdade, apenas pontos de vista.
Já Sócrates acreditava que seria possível chegar à verdade das coisas, desde que se reconhecesse a sua própria ignorância de antemão.
(P.63) O diálogo socrático geralmente começava com ele lançando perguntas aparentemente simples: o que é o amor? A virtude? A educação? Após analisar cada resposta de forma implacável, ia questionando, em tom amigável, cada palavra e cada conceito utilizado por seu interlocutor.
A dialética de Sócrates era implacável e civil. Implacável com todas as certezas herdadas e civil, pois ao se demolir todas as humanas, a humanidade poderia assentar sua sabedoria em bases mais firmes.
(P.67) Os inimigos de Sócrates.
Sócrates dizia que havia herdado a profissão da mãe (parteira), enquanto ela trazia bebês ao mundo, ele era especialista em praticar partos de ideias. Mas em geral os partos são dolorosos, e nem todos regem bem às dores do parto intelectual.
Logo Sócrates conquistou uma multidão de inimigos, ao mostrar a ignorância daqueles responsáveis pela administração pública. Ele incomodava a todos, desde os tolos até os intelectuais – tanto que Aristófanes fez uma peça de teatro desmoralizando-o.
(P.69) Em 399 a.C, os inimigos de Sócrates o levaram a julgamento sob a acusação de negar a existência dos deuses e corromper a juventude da cidade com ideias subversivas. Mas a verdade é que o julgamento de Sócrates ocorreu por motivos políticos.
Sua popularidade entre os jovens, somada ao hábito de expor a estupidez universal sem respeitar fronteiras de facções, transformou-o em alvo de rancores generalizados.

O desfecho desta história é bem conhecido: julgamento e condenação à morte pela ingestão de cicuta. 
Referências:
BOTELHO, José Francisco. Uma Breve História da Filosofia: São Paulo. Abril. 2015. P.53-72

Um comentário: