sábado, 8 de março de 2014

Resenha do Livro O Médico e o Monstro de Robert Louis Stevenson

Em 2006, O médico e o monstro (The strange case of dr. Jekyll and mr. Hyde), do escritor escocês Robert Louis Stevenson, completou 120 anos, sendo seguramente um dos livros mais adaptados para o teatro, cinema e televisão em todo o mundo.
Biografia de Robert L.Stevenson.
Nascido em Edimburgo em 1850, Robert Louis Balfour Stevenson era filho de um próspero engenheiro civil. Seu pai desejava que ele seguisse sua profissão, porém a má saúde e a fraca disposição de seu filho fizeram que ele escolhesse o curso de Direito na Universidade de Edimburgo, porém sua crescente desilusão com a respeitabilidade presbiteriana (religião de seus pais) conduziu a frequentes discussões e ele acabou distanciou-se de sua família, preferindo em vez disso levar uma vida boêmia. Em 1875, quando Stevenson completou seus estudos de Direito, já estava determinado a tornar-se um escritor profissional.
Com cerca de vinte anos ele começou a sofrer de severos problemas respiratórios . Na tentativa de aliviar seus sintomas, ele passou grande parte de sua vida viajando para climas mais quentes; e foi enquanto vivia na França, em 1876, que conheceu sua futura esposa, Mrs. Fanny Osbourne, uma mulher dez anos mais velha do que ele. Em 1879, ele a seguiu até a Califórnia, viajando em um navio de imigrantes, e depois ambos se casaram, assim que o divórcio dela foi oficializado.
As primeiras obras publicadas de Stevenson, Uma Viagem pelo interior (1878) e Viagens com um burro nas Cervennes (1879), baseadas em suas próprias aventuras, foram seguidas por um fluxo constante de artigos e ensaios. Todavia, foi somente em 1883 que apareceu sua primeira obra de ficção extensa, A ilha do tesouro.
O reconhecimento que Stevenson recebeu após a publicação de A ilha do tesouro cresceu com a publicação de O estranho caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde (O médico e o monstro) e Raptado, em 1886. Em 1888, ele levou sua família para os Mares do Sul, novamente em busca de um clima que melhor se coadunasse com suas condições de saúde. Após estabelecer-se em Samoa, ganhou reputação como contador de histórias, especialmente entre os nativos. Morreu de uma hemorragia cerebral, enquanto trabalhava em sua obra-prima inacabada, Weir of Hermiston, em 1894.
Resumo da Obra: O Médico e o Monstro.
Lançado em 1886 sob o título original de The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde[1], o livro conta basicamente à história de um médico, Dr. Henry Jekyll, e sua relação conturbada com sua segunda personalidade, o diabólico Edward Hyde.
A história começa quando Dr. Jakyll pede que seu amigo, o advogado londrino Mr. Gabriel Utterson, elabore seu testamento. Mr. Utterson se surpreende ao perceber que o maior beneficiário deste testamento seria o desconhecido Mr.Hyde.
Preocupado e curioso, Mr. Utterson começa a investigar. Em sua busca ele chega até um amigo pessoal do Dr. Jakyll, o também médico Dr. Lanyon que lhe indica um pequeno laboratório nos fundos da casa do Dr.Jekyll, onde Mr. Hyde é visto constantemente.
Sua busca chega ao fim quando Mr. Utterson fica frente a frente com Mr. Hyde. E o que mais lhe chama a atenção é a sua aparência física grotesca e deformada.
Ainda mais desconcertado, Mr. Utterson vai conversar com o Dr. Jekyll sobre o porquê de a herança ser deixada para uma pessoa desta qualidade. O doutor diz que é necessário, mas não lhe explica os motivos. Mr.Utterson resolve não mais se intrometer.
Um ano depois, uma criada foi a única testemunha de um crime bárbaro que chocou Londres. Sir Danvers Carew, influente cidadão londrino e cliente de Mr.Utterson, foi morto brutalmente com socos, pontapés e golpes de bengala. Bengala esta, que pertencia ao Dr. Jekyll.
A Scotland Yard em busca por informações vai até o escritório de Mr. Utterson, que prontamente coloca o misterioso Mr.Hyde como principal suspeito.
Mr. Utterson, então, vai até a casa do Dr. Jekyll, lhe avisar do perigo que representa o tal do Mr. Hyde. Contudo, o médico lhe afirma que há tempos não o vê e que este lhe havia deixado uma carta de despedida.
O tempo passou e apesar da pequena fortuna oferecida pela cabeça de Mr. Hyde, este não fora encontrado.
O livro segue, até que Dr. Lanyon descobre alguma coisa sobre o misterioso Mr. Hyde, mas o choque é tão violento que ele acaba falecendo pouco tempo depois. Contudo, pouco tempo antes de morrer ele entregou um bilhete para Mr. Utterson, obrigando-lhe a prometer que só o abriria após a morte do Dr. Jekyll.
O tempo passa e a vida segue seu curso, até o dia em que o mordomo do Dr. Jekyll chega até a casa de Mr.Utterson dizendo que o médico havia se trancado há semanas no porão e que quando lhe chamam, ele responde com uma voz extremamente diferente.
Ao chegar a casa, Mr. Utterson arromba a porta do porão e encontra o procurado Mr. Hyde vestido com as roupas do Dr. Jekyll, caído ao chão, já sem vida, ao lado de uma carta assinada pelo médico.
Mr. Utterson então lê a carta em que o próprio Dr. Jekyll dizia ter um lado sombrio, e que para dar vazão a este lado, ele acabou por criar uma fórmula que o transformava em outra pessoa (tanto no físico, quanto no psicológico). Contudo, estas transformações saíram do controle (principalmente após o assassinato do senhor Carew), e ele já não era capaz de comandar as transformações, que ocorriam sem seu consentimento.
Mesmo após parar de tomar a poção, ele percebeu que já havia tanto de Mr. Hyde dentro de si, que já não havia modo de parar as transformações. Se antes a transformação dominante era a do Dr. Jekyll, agora era Mr. Hyde o principal. Sendo este o motivo pelo qual ele resolveu se trancar.
Em seus últimos momentos de controle e lucidez, Dr. Jekyll se pergunta: Quando Mr.Hyde não puder mais se transformar em mim, e tomar consciência de que ele será preso qual será a sua reação? E a reação dele foi o suicídio.
Análise da Obra.
Poucos livros de terror se tornaram tão influentes quanto O Médico e o Monstro. Mesmo que não se tenha lido uma única linha do livro original, tenho toda a certeza que o enredo principal (o médico que toma uma poção e se transforma em um monstro) não lhe é de todo um mistério.
O que mais me surpreendeu no livro, foi à desconstrução do monstro como eu sempre imaginei. As mais diversas versões feitas para o cinema, desenhos animados, teatro, etc, apresentam versões que beiram a mutação. Como no caso da versão apresentada no filme A Liga Extraordinária de 2003, que apresenta um Mr. Hyde extremamente lunático e musculoso.
Essas versões geraram um efeito de pré-visualização nos leitores de hoje, que os leitores contemporâneos ao livro não tinham. Acredito que a reação dos leitores de 1886 foram mais chocante ao descobrirem que ambos eram a mesma pessoa, já que não havia um pré-conceito sobre qual seria a relação entre o Dr. Jekyll e o Mr. Hyde.
Já hoje (no meu caso), eu senti uma pontinha de desapontamento ao saber que o monstro (que eu sempre acreditei ser uma réplica do Incrível Hulk do século XIX) é na verdade um corcunda feio que chuta crianças e mata velhos a bengaladas...acho que fui com muita sede ao pote. Contudo, deixo claro aqui, que este fato não desmerece a obra que é um clássico e merece ser lida.
Nascido da preocupação do calvinista Stevenson com a morte e o lado mais escuro da natureza humana, O Médico e o Monstro foi inspirado na vida dupla de um habitante de Edimburgo, na Escócia, chamado William Brodie: de dia ele era um respeitado marceneiro; à noite, roubava as casas dos moradores da cidade.
O caso é que, a obra nos apresenta o caráter duplo da personalidade humana, Mr Hyde (o monstro) não foi um efeito colateral da misteriosa poção. O monstro já existia dentro do pacato Dr. Jekyll, a única coisa que a poção fez foi coloca-lo pra fora.
Moralismos à parte[2], a formula do Dr. Jekyll pode ser comparada às drogas, sejam elas legais ou ilegais. Pessoas extremamente introvertidas, quando bebem se tornam os piadistas da turma; Homens pacatos, espancam as mulheres após dois goles de cachaça; Pessoas extremamente ansiosas, contemplam a natureza após dois dar um “bola”. E como no livro, não são as drogas que criam uma outra personalidade, elas apenas dão vazão ao nosso lado monstro (ou médico) que tanto reprimimos para viver em sociedade.
Podemos até mesmo afirmar que somos todos, metade Médico e metade Monstro.
Curiosidades.
Foi esta a primeira obra a inserir a Scotland Yard no universo literário.
 Referências:
Igor Alcantara; Literatura para Preguiçosos - 10 - Robert Stevenson - O Médico e o Monstro. Disponível em < http://www.youtube.com/watch?v=iSmxq4U74zU> Acessado em 07/03/13
Passei na Web. Disponível em <http://www.passeiweb.com/estudos/livros/o_medico_e_o_monstro >. Acessado em 08/03/2014




[1] O Estranho caso de Dr. Jakyll e Mr. Hyde.
[2] Tenho concepções bem definidas e liberais quanto ao tema.

3 comentários:

  1. Adorei. Simplesmente adorei. Me esclareceu muita coisa. Obrigado :)

    ResponderExcluir