sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Parar de transformar crianças e adolescentes em alunos.

Para Rui Canário o modelo escolar tornou-se obsoleto, sendo este o grande responsável pelo má qualidade da educação. Ainda segundo ele a escola deve ser reformulada e transformar-se na escola do futuro.

Rui Canário[1].
O diagnóstico sobre a situação atual da escola é sombrio. O problema da escola pode ser sintetizado em três facetas: a escola na configuração histórica que conhecemos (baseada num saber cumulativo e revelado), é obsoleta, padece de um déficit de sentido para os que nela trabalham (professores e alunos) e é marcada, ainda, por déficit de legitimidade social, na medida em que faz o contrário do que diz (reproduz e acentua desigualdade, fabrica exclusão relativa). (...)
Não é possível adivinhar, nem prever, o futuro da escola, ma é possível problematizá-lo. Ou seja, é desejável agir estrategicamente, no presente, para que o futuro possa ser o resultado de uma escolha, e não a conseqüência de um destino. É nessa perspectiva que pode ser fecundo, e pertinente, imaginar uma “outra” escola a partir de uma crítica ao que existe.
Assim, a construção da escola do futuro deverá orientar-se por três finalidades fundamentais:
- a de construir uma escola onde se aprenda pelo trabalho e não para o trabalho, contrariando a subordinação funcional da educação escolar à racionalidade econômica vigente. É na medida em que o aluno passa à condição de produtor que nos afastamos de uma concepção molecular e transmissiva da aprendizagem, evoluindo da repetição de informação para a produção de saber;
  -a de fazer da escola um sítio onde se desenvolva e estimule o gosto pelo ato intelectual de aprender, cuja importância decorrerá do seu valor de uso para “ler” e intervir no mundo e não dos benefícios materiais ou simbólicos que promete no futuro;
-e de transformar a escola num sítio em que se ganha gosto pela política, isto é, onde se vive a democracia, onde se aprende a ser intolerante com, as injustiças e a exercer o direito à palavra, usando-a para pensar o mundo e nele intervir.
A transformação da escola atual implica do meu ponto de vista em três planos distintos.
Por um lado é necessário pensar a escola a partir do não escolar. A experiência mostra que a escola é muito dificilmente modificável, a partir de sua própria lógica. A maior parte das aprendizagens significativas realizam-se fora da escola, de modo informal, e será fecundo que a escola possa ser contaminada por essas práticas educativas que, hoje, nos aparecem como portadoras de futuro.
Por outro lado, é preciso caminhar no sentido de desalienar o trabalho escolar, favorecendo o seu exercício como uma “expressão de si”, quer dizer, como uma obra, o que permitirá passar do enfado ao prazer.
Finalmente, é imperioso pensar a escola a partir de um projeto de sociedade, com base numa idéia do que queremos que sejam a vida e o devir coletivos. Não será possível uma escola que promova a realização da pessoa humana, livre de tiranias e de exploração, numa sociedade baseada em valores e pressupostos que sejam seu oposto.
Os professores e os alunos, no seu conjunto, prisioneiros dos problemas e constrangimentos que decorrem do déficit de sentido das situações escolares. A construção de uma outra relação com o saber, por parte dos alunos, e de uma outra forma de viver a profissão, por parte dos professores, tem de ser feitas a par. A escola erigiu, historicamente, como requisito prévio da aprendizagem, a transformação das crianças e dos jovens em alunos. Construir a escola do futuro supõe a adoção do procedimento inverso: transformar os alunos em pessoas. Só nessas condições a escola poderá assumir-se, para todos, como um lugar de hospitalidade.


[1] O português Rui Canário, 55, é doutor em ciências da educação pela Universidade de Lisboa e professor desde 1991, dessa universidade. Como pesquisador, atua sobretudo nas áreas de formação de professores e de sociologia da escola. É autor de “Escola e Exclusão Social”(Educa, 2001), entre outros. No Brasil, publicou artigos em revistas especializadas.

Matéria retirada do jornal Folha de São Paulo (Sinapse) de 29 de junho de 2003

Nenhum comentário:

Postar um comentário