sábado, 11 de junho de 2011

A HISTÓRICA RELAÇÃO HOMEM TRABALHO E A DIGNIDADE HUMANA.

Como ninguém gosta de trabalhar , aqueles que conseguem cargos que exigem menos esforço físico gozam de um status social melhor.
Por: William Cirilo Teixeira Rodrigues

O maior sonho do homem desde seu surgimento foi o de nunca trabalhar. Desde que, segundo a bíblia, Adão foi expulso do paraíso e teve que sair do ócio para ganhar o sustento com o suor do próprio rosto o ser humano reclama de sua labuta diária e sonha em viver bem, mas sem esforço. Isso fica provado em lendas como a Cocanha<!--[if !supportFootnotes]-->[1]<!--[endif]--> da Idade Média e contemporaneamente a fé em acertar os seis dígitos da Mega Sena.(...)
Saindo do campo da mitologia e da religião e passando para a ciência, o filosofo Karl Marx influenciado pelas recém surgidas idéias sobre a evolução das espécies de Charles Darwin, atribui ao trabalha a principal responsabilidade pela transformação do macaco em Homem.
Para controlar a natureza o homem teve que trabalhar e desde o inicio o trabalho foi classificado de acordo com sua importância para a sociedade. Os salários são classificados por ordem crescente, na base está o trabalho braçal e no topo o trabalho intelectual administrativo.
Pelo fato do trabalho não ser algo agradável a ninguém, criou-se um certo preconceito com quem tem empregos de ordem braçal. Quem usa o corpo para o trabalho ganha menos, quem usa o cérebro ganha mais.
Para que a dignidade e o respeito façam parte do cotidiano de qualquer trabalhador, seja em qual escala social ele esteja, é necessário que as pessoas se conscientizem de que todo trabalho é importante para o bom andamento da sociedade, e deixar de lado esse preconceito de que “Todo trabalho é digno,mas uns são mais dignos do que outros” parafraseando George Orwel.
<!--[if !supportFootnotes]-->

<!--[endif]-->
<!--[if !supportFootnotes]-->[1]<!--[endif]--> Reino mágico onde não se trabalha, o sexo é livre e a comida é abundante. Essa lenda é o oposto da sociedade medieval.

Um comentário: