domingo, 5 de junho de 2011

A CULPA É SÓ DAS FRONTEIRAS?

Por: William Cirilo Teixeira Rodrigues

Assistindo a série de reportagens feitas pelo repórter César Tralli, a mando da rede Globo, sobre as fronteiras do Brasil, me pequei pensando: O que eles querem? Será que eles pensam em aplicar o modelo Estadunidense e fechar todos os 15.791 Km de fronteiras com muros se isolando do restante da América do Sul? Será que o envio de produtos ilegais, seja ele de que espécie for, só vem de “lá” pra “cá”? E daqui pra lá, não vai nada ilegal? Caso algum dia o Brasil consiga fechar suas fronteiras, o próprio brasileiro não encontrará um “jeitinho” de burlar e produzir aqui mesmo, os produtos que lhe foram privados como cigarros, bebidas e drogas? E sobre a questão do trafico de armas e munições, é sabido que a grande maioria que circula no Brasil é produção nacional.(...)

Quando no século o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) começou a buscar bases para a formulação da história nacional, ele não sabia muito bem o que queria ser, mas tinha total compreensão do que não queria ser: Ele não queria ser Republicano, protestante e muito menos latino americano! E pelo jeito obteve sucesso em sua empreitada, pois o país não é nenhuma dessas coisas de forma plena.

Sempre que se cita “América Latina” o brasileiro logo pensa nos países vizinhos, latino para ele é o cantor de “Festa do Apê”, os países vizinhos são considerados caóticos, pobres, sujos, sem leis, de política e economia instáveis e infestadas de guerrilhas de narcotraficantes. Fica claro então que o Brasil virou-se de costas para os países vizinhos e está de braços abertos para o Atlântico, pois o brasileiro acredita que o que vem do leste é cultura, e o que vem do oeste é ilegalidade!

Esse tipo de pensamento é claro entre os brasileiros, e é alimentado por reportagens como esta que mostra um Brasil desguarnecido, indefeso cercado por repúblicas caóticas que são as principais, se não as únicas, culpadas pela violência no país.

O que Tralli mostrou em suas reportagens foi basicamente que “o inferno são os outros” se não existisse o Paraguai não haveria maconha nem armas, se não existisse a Colômbia o Peru e a Bolívia não existiria a cocaína, o lança perfume é culpa argentina e o Uruguai é responsável pelos insumos agrícolas ilegais. Parece que a ilegalidade é uma política de Estado entre nossos vizinhos, o que não é! Esses países gastam milhões por ano para combater o trafico de drogas, armas, etc. Esses são problemas crônicos desses países, assim como o tráfico nos morros cariocas, os pistoleiros no norte e no centro-oeste, o polígono da maconha no nordeste e a violência nas cidades satélites de Brasília são para o Brasil. Se for fácil culpá-los por não resolverem seus problemas, também é fácil culpar o governo brasileiro por não resolver os nossos.

Um comentário: