sábado, 8 de maio de 2010

Sobre as cotas e porque sou a favor.

Não sei se foi porque estudei a vida inteira em escola pública mas meu pensamento é: Universidade Pública para Alunos da Escola Pública.

Primeiramente o que são cotas? As cotas são uma porcentagem de vagas, no ensino superior seja ele público ou privado, destinadas a grupos sociais menos favorecidos da sociedade, como pobres, negros, indígenas e deficientes físicos. Essa é uma medida polêmica e induz a diversos debates sobre sua constitucionalidade, uma vez que no Art. 5º da Constituição está escrito: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza...”  (...)

Entretanto acredito que essas ações afirmativas ajudam a criar um país mais justo para grupos sociais historicamente excluídos. Ao pesquisar na internet sobre as discussões que ocorrem sobre esse assunto encontrei uma fotografia que me chamou muito a atenção, uma jovem protestando em Brasília contra as cotas, leva um cartaz onde está escrito “Quer uma vaga? Passe no vestibular!”. Os jovens atendidos por esse sistema não entram na universidade por favor de alguém, ele entram porque também passaram no vestibular, eles não caem de pára-quedas dentro das salas de aulas, eles estudaram também e diferentemente de qualquer burguesinho que pode pagar um cursinho por muito tempo essa será possivelmente a única chance de muitos. Acredito no poder que as cotas têm, principalmente para os mais pobres.

Dizem que as cotas servem apenas para “tampar o sol com a peneira”, e isso é verdade. Feliz o dia em que as cotas não sejam mais necessárias, que a educação pública seja de uma qualidade excepcional e o aluno sinta-se mal em tentar entrar na universidade pelo sistema de cotas, pois ele saberá que não é menos preparado que ninguém.

Mas enquanto isso não acontece o que faremos? Deixaremos como está, onde quem tem dinheiro e pagou os cursinhos mais caros faz universidade pública e quem é pobre e estudou em escola pública a vida inteira tem que pagar todo mês a mensalidade de uma universidade particular? Isso a meu ver é muito pior do que o ingresso de uma pequena percentagem de alunos de escolas públicas, negros, índios e deficientes no ensino superior.

Um comentário: